Em live realizada nesta segunda-feira (5), no Facebook, o ex-vereador e candidato a prefeito de Manaus, Chico Preto (DC), afirmou que é revoltante a decisão da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados de aumentar em 171% o reembolso para despesas médicas dos parlamentares. A decisão de reajustar de R$ 50 mil para R$ 135 mil a devolução de investimentos feitos em saúde foi publicada no Diário Oficial da Câmara no final do mês passado.

Na avaliação de Chico Preto, o Brasil vive um momento delicado por conta da pandemia do novo coronavírus e todos os recursos que sobram de quaisquer órgãos públicos deveriam ser destinados ao Ministério da Saúde para compra de oxigênio hospitalar, insumos e vacinas.

“O aumento foi de R$ 85 mil, já que saltou de R$ 50 mil para R$ 135 mil esse ressarcimento. Isso dá mais de R$ 523 milhões no ano. É verdade que nem todos os deputados vão usar todo o recurso, mas o dinheiro fica travado no orçamento. Para mim é revoltante esse reajuste num momento como este. A obrigação moral de presidentes e vices-presidentes de qualquer poder é enviar qualquer sobra de recurso ao Ministério da Saúde”, afirmou.

Cultos e missas

Durante a transmissão ao vivo, Chico Preto também falou sobre a decisão do ministro Kassio Nunes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de liberar a realização de cultos e missas no País. Na avaliação dele, o ministro acerta ao permitir os eventos religiosos.

“A Constituição Federal em seu artigo quinto garante direito inviolável ao culto religioso. É preciso que os governadores encontrem um caminho seguro para garantir isso. Não é somente querer proibir e passar por cima da Constituição”, destacou.