Petroleiros do Amazonas e mais cinco estados anunciaram nesta sexta-feira (1) início de greve para cobrança de direitos e contra ‘riscos de privatização’ da Petrobras.

Os outros estados incluídos no movimento são Espírito Santo, Minas Gerais, Pernambuco e São Paulo. Um movimento na Bahia em oposição à venda de uma refinaria no Estado será retomada.

Em comunicado à Reuters, a Petrobras informou que foi notificada sobre as intenções dos manifestantes, mas explicou que mantém um acordo para negociação com os funcionários.

Entre as pautas da greve estão ‘jornadas exaustivas e multifunções no trabalho presencial e remoto’, ‘exposição à contaminação por Covid-19’, além da venda de ativos pela estatal, disse a Federação de acordo com o UOL.